ORIENTAÇÕES PARA TRABALHO NO EXTERIOR

 

          A rede consular brasileira no exterior tem registrado ocorrências frequentes, em diversos países, de problemas com jogadores de futebol, modelos fotográficos e de passarela, dançarinos, professores de capoeira e danças e outros profissionais do setor de esportes, serviços e entretenimento. Esses brasileiros são, normalmente, profissionais bastante jovens e sem experiência de trabalho e residência no exterior. As dificuldades que enfrentam fora do Brasil assumem as características, em muitos casos, de tráfico de pessoas – uma das formas contemporâneas de servidão.

      As situações encontradas pelas embaixadas e consulados do Brasil são quase sempre resultantes do envolvimento dos profissionais brasileiros com agentes e empresários inescrupulosos, que os colocam em situação de irregularidade migratória, exploração laboral, abusos, maus tratos, acomodação precária e retenção de passaportes e de pagamentos. Dispondo ou não de contrato de trabalho, muitas vezes os profissionais brasileiros acabam sujeitando-se a condições de vida e de trabalho precárias e, por vezes, aviltantes. Dessa vulnerabilidade migratória e laboral podem decorrer outros abusos e constrangimentos.

     Compilam-se aqui, portanto, informações e alertas úteis sobre os riscos existentes e as formas de evitá-los, visando a contribuir para que menos jovens brasileiros venham a passar por situações de exploração, constrangimentos e traumas no exterior.

PARA SABER MAIS INFORMAÇÕES SEGUE CARTILHA INFORMATIVA DISPONIBILIZADO PELO ITAMARATY